Subindo servidor de aplicação com TomCat e SDK no Debian Etch4

•maio 23, 2008 • 1 Comentário

Subindo um servidor de aplicação Java no Debian Etch4.

1ª Passo:
Baixando é instalando o Tomcat 5.5

#cd /usr/local/src/

Crie uma pasta em “src”:

#mkdir tomcat-src

De permissão na pasta e entre na mesma:

#chmod 700 tomcat-src

#cd tomcat-src

Baixe o Tomcat 5.5.27:

# wget http://mirrors.uol.com.br/pub/apache/tomcat/tomcat-5/v5.5.27/bin/apache-tomcat-5.5.27.tar.gz

Descompacte o arquivo no diretório atual:

# tar zxf apache-tomcat-5.5.27.tar.gz

Mova a pasta apache-tomcat-5.5.26 para o diretório “lib” em /usr:

#mv apache-tomcat-5.5.27 /usr/lib/apache-tomcat

2ª Passo:

Adicione no repositório a linha para baixar o SDK e instalação do mesmo.

#echo “deb http://ftp.uevora.pt/debian/ etch main contrib non-free”>>/etc/apt/sources.list

#apt-get update

Instalação do SDK 1.5

#aptitude install sun-java5-jdk

(Obs: Aceite o contrato do Java.).

3ª Passo

Subindo o Java Home

#export JAVA_HOME=/usr/lib/jvm/java-1.5.0-sun-1.5.0.14

Edite o arquivo “tomcat-users.xml “ em /usr/lib/apache-tomcat/

# cd /usr/lib/apache-tomcat/conf


# vim tomcat-users.xml

alterar:

<user username=”tomcat” password=”tomcat” roles=”tomcat”/>

para:

<user username=”tomcat” password=”tomcat” roles=”tomcat,admin,manager”/>

Subindo o Tomcat.

#cd /usr/lib/apache-tomcat/bin

#./startup.sh

4ª Passo:

Subindo o Java e TomCat na inicialização do sistema:

#cd /etc/init.d

Crie um arquivo com execução “SH”

#vim scripttomcat

Adicione a seguintes linhas:

#!/bin/sh

export JAVA_HOME=/usr/lib/jvm/java-1.5.0-sun-1.5.0.14

/usr/lib/apache-tomcat/bin/startup.sh

Salve e saia do mesmo

5ª Passo

Adicione o processo na inicialização do sistema dentro do init.d em /etc:

#update-rc.d scripttomcat defaults

Obs: Caso queira subir o processo na mão sem adicionar na inicialização, suba primeiro o Java_home e depois o Tomcat.

Para testar, basta digitar em seu browser o IP aonde subiu os serviços:

Ex: http://192.168.0.1:8080

Se abrir no seu Browser a pagina do TomCat 5.5, isso quer dizer que o servidor de aplicação foi configurado corretamente e esta no ar.

Boa Diversão

Anúncios

Instalação do OcoMon no Debian etch 4

•maio 18, 2008 • 3 Comentários

Para quem tem o consume de optar por versões mais automatizada do Linux, vai ter alguns probleminhas com o Debian etch 4 para subir um servidor Web (Apache + PHP5 + Mysql + exim4).

Na instalação eu aconselho instalar o sistema básico, pois quando se solicita a instalação com servidor web automático no Debian Etch4, ele ira instalar alguns pacotes que não são aconselhável. (Tais como apache2 e php4).

1. Editar o repositório após a instalação do sistema.

Edite o arquivo sources.list em:

#vim /etc/apt/sources.list

Comenta a linha de CDROM e deixe as demais linhas descomentadas.

Salve e saia do mesmo.

#apt-get update

2. Instalando os pacotes via apt-get (apache + php5 + Mysql + Exim4)

#apt-get install libapache-mod-php5 php5-cli php5-cgi apache php5-mysql mysql-server-4.1 exim4

3. Configurando o modulo do PHP5 no Apache

Tem que colocar o link simbólico do php5 no apache em modules.conf do apache na ultima linha.

#vim /etc/apache/modules.conf

Adicione a linha:

LoadModule php5_module /usr/lib/apache/1.3/libphp5.so

Salve e saia do mesmo

4. Teste o Apache e o PHP5

Ex: http://127.0.0.1

Ou o seu próprio IP

Depois crie um index.php no www do /var para testa o php.

#cd /var/www

#vim index.php

Edite:

<?
phpinfo () ;
?>

Salve e saia do mesmo

Digite em seu navegador:

Ex: http://127.0.0.1/index.php

Ou seu próprio IP

Se abrir as informações dos plugins do Apache e PHP, isso quer dizer que esta funcionando perfeitamente e esta pronta para implementarmos o ocomon.

Caso haja um arquivo “index.html” no www do /var remova-o, pois sempre dara preferencia para o “index.html” em vez do “index.php”

#rm index.html

5. Baixar o OcoMon

http://ocomonphp.sourceforge.net/

Baixe o ocomon (2.0 Alpha) e edite o nome da pasta para ocomon e jogue no www do /var:

#cd /var/www

Link do download do OcoMon: https://sourceforge.net/project/downloading.php?group_id=45554&use_mirror=ufpr&filename=ocomon_2.0Alpha1.tar.gz&567748

Ex: #wget http://www.olinkacima.net

#tar -zxvf ocomon-2.0Alpha1.tar.gz

6. Editar alguns arquivos do ocomon

Entre na pasta includes do ocomon.

#cd ocomon/includes

Alterar o nome do arquivo “config.ini.php-dist” para “config.ini.php”

#mv config.inc.php-dist config.inc.php

E depois edite o “config.ini.php”

#vim config.ini.php

Na linha:

define ( “SQL_USER”, “ocomon”)
altere para:
define ( “SQL_USER”, “root”)

E altere também:

(obs: Na versão 2.0 não tem essa linha abaixo)

Na linha:

Altere para o IP da sua máquina ou nome DNS, exemplo: http://10.10.0.1/ocomon

Salve e saia do mesmo.

Após essa alteração, entre na pasta “classes” dentro includes do ocomon. (ocomon/includes/classes) edite o arquivo “conecta.class.php”

#vim conecta.class.php

E procure as linhas :

$this->con=mysql_connect(SQL_SERVER,SQL_USER,SQL_PASSWD) …………..

Altere para:

$this->con=mysql_connect(localhost,root)…………..

Na linha abaixo, mude a opção “SQL_DB” para ocomon

Salve e saia do mesmo.

7. Edite o php.ini

#vim /etc/php5/apache/php.ini

Alterar no arquivo php.ini a opção register_globals para = on.

8. Criar o banco de dados

#cd ocomon/install
#mysqladmin -u root -p create ocomon (cria a base de dados ocomon no mysql)
#mysql -u root -p ocomon <2.0/DB_OCOMON_2.0_FULL.sql (importa todos os dados originais do ocomon para o banco ocomon)

Será solicitada uma senha nos comandos acima, basta digitar a senha de root do servidor mysql (Se você não tiver colocado nenhuma senha, basta apertar enter).

9. Configurando o Exim4

#dpkg-reconfigure exim4-config

A – Ok

B – Não

C – Ok

D – Site Internet , Mensagem são enviadas e recebidas diretamente via SMTP – Ok

E – (Nome do servidor “Domínio” de identificação)

F – Ok

G – 127.0.0.1

H – OK

I – (Nome do servidor “Domínio” de identificação)

J – *

L – *

M – Ok

N – Não

O – Formato mbox em /var/mail

Após a configuração do Exim4 ele já vai reinstarta o processo.

10.Restarta o Apache e Mysql

Para reinstarta o Apache, basta digitar:

#apachectl restart

Para reinstarta o Mysql

#/etc/init.d/mysql restart

11. Acessar o OcoMon

Abra o seu navegador e digite o endereço do servidor:

Ex: http://172.16.1.2/ocomon

E pronto… Coloque o usuário e senha.

(Obs: Usuário padrão do ocomon é admin e a senha admin)

Boa diversão !!!

Sobre o Protocolo CARP e a instalação apenas do VRRP para balanciamento.

•maio 3, 2008 • Deixe um comentário

Sobre o CARP

CARP é o Protocolo de Redundância de Endereço Comum (Common Address Redundancy Protocol)
Seu principal objetivo e permitir que varias hosts de mesmo segmento de rede compartilhe o mesmo segmento IP.

O CARP e muito aplicada em grandes empresas por ser uma alternativa livre e segura ao Virtual Router Redundancy Protocol(VRRP) e ao Hot Standby Router Protocol(HSRP).

CARP libera o mesmo grupo de host de mesmo segmento de rede compartilhar um endereço de IP, assim quando falamos de “GRUPOS DE REDUNDÂNCIA” estamos nos referindo ao grupo de hosts (endereço IP que é compartilhado entre os membros do grupo).

Dentro do grupo um host e designado master e os demais com backups, com isso Master assume o IP compartilhado assim assumindo qualquer tipo de requisição ARP direcionada a ele.

Normalmente se utiliza o CARP para redundância em firewall e o IP virtual atribuído ao grupo e configurada nas maquinas clientes como gatway padrão (Defaults). Caso o servidor master sofra falhas físicas ou algo que o torne off line, um dos servidores backups assume o IP virtual sem afetar nenhum serviço.

A operação do CARP funciona com o host master enviando ao grupo anúncios mostrando se esta ativo para os hosts backup, e se caso um os backups não escultarem o host master, ele assume imediatamente suas respectivas tarefas (qualquer host backup que tenha configurado os valores advbase e advskewbaixos).

É possível múltiplos grupos CARP existir no mesmo segmento de rede. Os anúncios CARP contém o Virtual Host ID, que permite aos membros do grupo identificar qual grupo de redundância pertence.

Para prevenir que um usuário malicioso no segmento de rede falsifique (spoofing) anúncios CARP, cada grupo pode ser configurado com uma senha. Cada pacote CARP enviado ao grupo é então protegido por um HMAC SHA1.

CARP suporta IPV4 e IPV6.

USANDO O VRRP PARA BALANCIAMENTO DE CARGA E REDUNDANCIA.

Instalação

1 Passo:

# apt-get install make gcc libpcap0-devel
# cd /tmp
# wget http://www.off.net/~jme/vrrpd/vrrpd-current.tgz
# tar xvfz vrrpd-current.tgz
# cd vrrpd
# make
# cp vrrpd /usr/bin/

# cp vrrpd.8 /usr/share/man/man.8/

2 Passo:

Verifique se a interface está configurada para multicast:

Obs: O 1 do eth1, será de acordo com a sua interface de rede configurada em cada maquina. (máster e slave)

# ip link show eth1

Para ativar a opção MULTICAST na interface.

# ip link set dev eth1 multicast on

3 Passo :

As opções do vrrpd para configuração são:
-i: identificação da interface de rede
-v: identificação do “Servidor virtual” (1-255)
-p: prioridade no “servidor virtual” (1-255)
-d: intervalo de verificação (em segundos)

Vamos utilizar por exemplo a interface eth1 (-i eth1) e o grupo como “1” (-v 1). Com verificação no intervalo de 60 segundos (-d 60), e o endereço virtual configurado como 10.1.10.50

– No Roteador/Firewall/Aplicação Master:

# vrrpd -i eth1 -v 1 -p 255 -d 60 10.1.10.50 -n &

– No Roteador/Firewall/Aplicação Slave:

# vrrpd -i eth1 -v 1 -p 1 -d 60 10.1.10.50 -n &

4 Passo:

E interessante adicionar essas linhas no rc.d, para iniciação automática caso seja reiniciado a maquina!

– Maquina primaria: (Linux)

#vim /etc/init.d/vrrpd

Adicione:

#!/bin/sh
vrrpd -i eth1 -v 1 -p 255 -d 60 10.1.10.50 -n &

Salve e saia do arquivo.

– Maquina slave (Linux)

#vim /etc/init.d/vrrpd

Adicione:

#!/bin/sh
vrrpd -i eth1 -v 1 -p 1 -d 60 10.1.10.50 -n &

Salve e saia do arquivo.

No Unix, salve no /etc/rc.local para automatizar o processo..

5 Passo:
Verificar a conectividade do IP virtual que no nosso caso esporádico foi o 10.1.10.50

#ping 10.1.10.50

Se estiver respondendo… Reinicie a maquina MASTER e verifica que a SLAVE após os segundos citado no comando acima (-d 60), ira assumir o IP virtual e após a maquina primaria iniciar, quanto tempo leva para voltar a responder como primaria.

Boa diversão!!!